terça-feira, 24 de abril de 2018

O futuro do sexo





Chega de falar sobre guerra, imigrantes e elites psicopáticas cheias de ódio e destruição, vamos falar de temas menos deprimentes, vamos falar sobre sexo!

Não sou muito fã de videogames mas no outro dia joguei um videojogo japonês e achei interessante a historinha. Enquanto o jogo em si é dos mais nerds possíveis (luta entre mini-robôs construídos por cada usuário), intercalada com cada nível há uma historinha ilustrada com diálogos e animação.


São várias histórias possíveis de acordo com o personagem que você escolhe, e em cada uma das historinhas tem uma ninfeta japinha de anime diferente. À medida em que você avança no jogo, o romance com a ninfeta esquenta. Cada ninfeta tem uma personalidade ou estereótipo diferente: a tímida, a extrovertida mas fútil, a amiga de infância, etc. Não chega a ter nenhuma cena de sexo, mas o subtexto está todo ali. 


Seriam tais jogos substitutos para o contato real? É sabido que os japoneses hoje em dia fazem muito pouco sexo. Muitos jovens tem apenas namoradas virtuais. Mas, mesmo entre os casais, parece que a libido diminuiu e muitos dizem não fazer sexo com seus cônjuges (efeito do excesso de trabalho, ou da radiação?)


Alguns acreditam que as mulheres japonesas ocidentalizadas ficaram tão chatas e exigentes, e um povo acostumado a ter seus casamentos e relações arranjadas pelos parentes ficou tão perdido com a nova "liberdade" e com tanto medo de rejeição, que os jovens preferem assistir pornô a ter uma relação. 


Existem razões profundas para esse medo. Afinal, no mercado multicultural global, o homem asiático é rejeitado. As asiáticas que podem procuram brancos. Crescentemente, algumas procuram negros também. Tem até uma escritora japonesa que ficou popular escrevendo romances interraciais. Seria o Japão a próxima vítima do multicuckturalismo? 


Mas o fenômeno da virtualização do sexo é crescente, e não afeta apenas o Japão.


A revolução sexual, aparentemente liberadora, na verdade gerou uma nova geração mais assexuada. As pessoas começam apenas agora a dar-se conta que a tal "liberação sexual" só serviu mesmo para alguns poucos, mais altos no totem sexual e que portanto obtiveram maior atenção feminina.


Mas para o "homem comum" a coisa só piorou. Com a liberação sexual e o feminismo, o casamento e as relações estáveis (principal modo de sexo para as massas) diminuíram, e portanto também diminuíram as oportunidades de uma vida sexual ativa para a maioria.


Some-se a isso a crise da obesidade e o fato da maioria do entretenimento atual ser sedentário e dentro de casa (netflix, mídia social, videogames, etc) e temos um coquetel perfeito para o celibato involuntário global, substituído por animes e pornô.  


É bem possível que no breve futuro teremos robôs sexuais (no Japão já é uma realidade), ou então, simulações em realidade virtual com sensores acoplados no pênis. Não vejo muita graça nisso, aliás nem assisto mais nenhum tipo de pornografia por julgá-la prejudicial ao cérebro e à alma, mas posso entender como poderá ser, para muitos, um substituto aceitável para a intimidade impossível.


Evidentemente, fica a questão da reprodução, até hoje possivel somente através do sexo de um homem com uma mulher, mas tenho fé que nossas queridas elites estão trabalhando duramente na criação de úteros artificiais e incubadoras centralizadas como nos mais célebres romances de ficção científica. Talvez, no futuro, haverá uma dissociação completa, o sexo será apenas virtual, e a reprodução ficará a cargo de máquinas controladas pelo estado global.




(Epa, mas eu não queria falar de algo menos deprimente? Desculpem, foi mal...) 




Robôs não serão apenas para sexo...
...mas romance também...
...e até a pedofilia virtual será encorajada.


Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...