sexta-feira, 5 de maio de 2017

A TRÉGUA DE NATAL - DEZEMBRO DE 1914


O soldado raso Graham Williams, da Brigada de Fuzileiros de Londres, descreve o início da trégua informal no setor da frente junto a Ploegsteert, Bélgica, na noite de 24 de dezembro de 1914:

De repente, luzes começaram a aparecer ao longo da balaustrada alemã, e estava claro que eram árvores de Natal improvisadas, adornadas com velas acesas, que ardiam constantes no ar silencioso e gélido. Outras sentinelas tinham, é claro, visto a mesma coisa, e rapidamente acordaram as que estavam de guarda, adormecidas nos abrigos [...].
Então nossos oponentes começaram a cantar "Stille Nacht, Heilige Nacht". [Noite Feliz] [...]. Eles terminaram sua cantiga e nós achamos que devíamos responder de alguma maneira, por isso cantamos "The First Nowell" [O Primeiro Natal], e assim que terminamos todos eles começaram a aplaudir; e então eles iniciaram outra de suas favoritas, "O Tannenbaum". E assim foi. Primeiro os alemães cantavam um de seus hinos de Natal e depois nós cantávamos um dos nossos, até que começamos a entoar "O Come All Ye Faithful" [Oh, venham todos os fiéis] e os alemães imediatamente se juntaram a nós, cantando o mesmo hino, mas com a letra em latim "Adeste Fidelis". E eu pensei: isto é mesmo uma coisa extraordinária  duas nações cantando o mesmo hino no meio de uma guerra. 


O soldado raso François Guilhem, do 296º Regimento de Infantaria, parte do 8º Exército francês em Flandres, descreve a troca de cânticos de Natal em seu setor da frente:



Jamais vou me esquecer desta noite de Natal: sob o luar claro como o dia, e com a neve tão dura que dava até para quebrar pedras, estávamos subindo por volta de dez da noite, carregando lenha para as trincheiras. Vocês podem imaginar nosso espanto quando ouvimos os Chucrutes cantando hinos em suas trincheiras e os franceses nas deles; então os Chucrutes cantaram seu hino nacional e aplaudiram e deram vivas. Os franceses responderam com o "Chant du départ" [Canção da partida]. Toda essa cantoria por parte de milhares de homens no meio de uma zona rural foi verdadeiramente mágica.



Um soldado alemão, Bernhard Lehnert, servindo o 4º Exército em Flandres ocidental, descreve uma troca de canções no dia de Natal com os soldados franceses da trincheira defronte:



No dia de Natal de 1914, as sentinelas na trincheira cantaram "Stille Nacht, Heilige Nacht". Assim que entoaram as primeiras palavras, os franceses começaram a disparar furiosamente, achando que era o início de um ataque, embora esse hino não fosse marcial. Pouco depois eles pararam de atirar, porque nada aconteceu. Devem ter entendido que a música estava relacionada ao Natal e permaneceram em silêncio. Quando terminamos a nossa "Stille Nacht, Heilige Nacht", os franceses cantaram a "Marselhesa". E foi assim que passamos o Natal de 1914. 

(Sondhaus, Lawrence in "A Primeira Guerra Mundial", Tradução: Roberto Cataldo Costa,  São Paulo: Contexto. pág. 114-15)






Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...