segunda-feira, 20 de junho de 2016

Como vive a elite

Vivemos comandados por uma elite de mierda, desculpem o linguajar, mas não tem outra palavra. Porém os branquelos de classe média e média-alta tampouco são sempre flor que se cheire. A verdade é que a humanidade não presta, do pobre ao rico. Mas, em geral, salvo as exceções de sempre, quanto mais ricas as pessoas se tornam, piores elas ficam  ou, ao menos, podem fazer mal maior. 

Conheço uma pessoa que mora em um bairro rico da Califórnia. Só tem brancos como vizinhos. Paraíso? Nem tanto. Como ocorre sempre que a riqueza material aumenta, também aumenta a inveja e a competição por status. Os vizinhos vivem brigando por motivos fúteis  o tamanho das árvores e das cercas, o barulho do cachorro, o local onde o outro estaciona o carro, etc. Todos se odeiam e se ameaçam de processo e ninguém vive em paz. Um inferno. 


Tudo também custa muito caro, até nos supermercados, mas o rico branco na verdade está pagando pela exclusividade de não ter que ver pobres imundos na fila. Ao mesmo tempo, são todos Democratas. Votaram em Obama e vão votar em Hillary. Dizem que querem ajudar as minorias e os gays. Será? 

O mundo multicultural "igualitário" é uma grande mentira. O mundo que eles querem é um mundo de castas, com pobres de preferência bem longe, ou só servindo como empregados. Que importa que haja pobreza e miséria, se está longe? Eles podem ficar em seus locais exclusivos, onde só entra quem pode pagar. 

Os bilionários são todos ou quase todos a favor da imigração. O cálculo para eles é simples: mais mão de obra barata, e mais consumidores de quinquilharias. Ao mesmo tempo, povo dividido é povo que não faz revolução. Maitre, mais um milhão de refugiados, s'il vous plait

Os ricos são diferentes, disse Fitzgerald. Talvez tivesse razão. No outro dia li uma história trágica mas edificante sobre a elite. Philippine Lambert era a jovem filha da Baronesa Marion Lambert. Herdeira dos Rothschild. Sim, esses mesmos famosos filantropos, benfeitores da humanidade. 

Philippine era muito bonita e tinha tudo na vida. Porém, morreu suicida aos 20 anos. No seu bilhete de despedida, acusou um amigo da família, um certo Vincent Meyer, também descendente de ricos banqueiros, de abusar dela dos 12 aos 14 anos. "Ele abusou de mim desde os doze anos. Tocou todo o meu corpo. Colocou o seu sexo em minha boca. Em Capri, em Creta, Aix-en-Provence, na Sicília." (Entre a elite, até o estupro é mais chique e ocorre em locações espetaculares). 

O acusado não chegou a ir a julgamento. Foi preso por apenas três meses, pagou três milhões de francos suíços de fiança, um recorde na época, e foi liberado. Finalmente afirmou-se que não havia provas suficientes para acusá-lo, a investigação foi concluída, e ele saiu sem uma mácula. É como funciona a justiça na Suíça, quem tem dinheiro pode ser inocentado dos crimes mais terríveis (é como funciona no resto do mundo também). 

A mãe da moça, a Baronesa Lambert, lutou por toda a vida por um julgamento, mas não conseguiu. Morreu recentemente de forma melancólica: ao sair de um encontro de filantropia sobre como melhor ajudar criancinhas sírias, foi atropelada por um ônibus. Ainda se fosse uma Ferrari ou uma Mercedes, ou pelo menos uma limusine, mas não. Um mero ônibus londrino, dirigido por um paquistanês. Sic transit gloria mundi

Já o abusador da moça ainda está vivo, e consta que tem pelo menos 290 milhões de euros na sua conta e está entre as 500 pessoas mais ricas da Europa. É presidente da orquestra filarmônica de Londres. Adora colaborar com as artes. Casou com uma descendente da realeza britânica, mas dizem as más línguas que ainda gosta de garotinhas, ainda que já não com a mesma frequencia de antes. 


Moral da história? Os ricos também choram. Mas não por nós.

Pobre menina rica

FONTE: Blog do Mr X

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...