sábado, 12 de novembro de 2016

A bolha da mídia estourou - Rodrigo Constantino

Para a surpresa de todos aqueles que só acompanham a grande imprensa, Donald Trump foi eleito presidente dos EUA. E para surpresa ainda maior dessa turma, fez um discurso de estadista, falando em união e em construir juntos uma grande nação novamente. Nada de destilar ódio, de se vingar, de dividir. Como assim? A maior derrotada na eleição foi a mídia mainstream. E o motivo parece simples: os “jornalistas” trocaram a análise pela torcida. Como são “progressistas” e morrem de amores pelos democratas, passaram a confundir seus desejos com os fatos, e deixaram a realidade de lado para sonhar. A ilusão foi decepcionante.
Nos grandes acontecimentos desse ano, essa imprensa foi pega de surpresa em tudo: Brexit, acordo de “paz” com as Farc, Trump. Claramente não está conseguindo fazer uma boa leitura da conjuntura, e tem servido como máquina de desinformação, justamente porque seus “jornalistas” vivem numa bolha e dela não querem sair. Tampouco se trata de um grito contra a globalização, como essa mídia diz. É um protesto contra o “globalismo” dessa elite poderosa em simbiose com grandes empresas, o que Clinton e Soros representam com perfeição. O povo não quer ser tão comandado assim por Washington ou Bruxelas. Basta pensar que os “intelectuais” que rejeitam a globalização capitalista, o livre comércio, são os mesmos que fazem essa “análise” de que o povo ignorante estaria contra a globalização. Não é verdade.
Está contra o establishment, mas isso é bem diferente. O fenômeno aponta para o cansaço daqueles “de fora” do sistema, que normalmente pagam a conta, com aqueles que comandam o show, distribuindo privilégios às suas custas. Trump prometeu “drenar o pântano” em Washington, e isso seduziu muita gente.
O mesmo vale para o multiculturalismo. Para a turma da bolha, é algo abstrato, bonitinho. Para o povo de carne e osso, pode significar uma comunidade de islâmicos radicais na sua vizinhança, recusando assimilar a cultura que os recebe, um imigrante ilegal tentando roubar seu emprego, ou pior: sua carteira.
Outro alvo desses protestos é o politicamente correto, o relativismo moral, a revolução das “vítimas”, a “marcha das minorias oprimidas”. Muitos não suportam mais a inversão de valores, a decadência moral, a narrativa de vitimismo de grupos coletivistas organizados em busca de poder e privilégios. O “progressismo” está apanhando.
Reparem que a mesma imprensa que usa e abusa de termos como “ultraconservador” e “extrema-direita” se recusa a falar em “extrema-esquerda”. É como se os radicais fossem todos do outro lado, nunca do seu. O povo cansou desse duplo padrão hipócrita. Mas a bolha estourou de vez agora, e a farsa foi exposta. Melhor assim.
Os “jornalistas” trocaram a análise pela torcida. Como são “progressistas” e morrem
de amores pelos democratas, passaram a confundir seus desejos com os fatos

Fonte: Isto É

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...